Recomendações

Transporte de animais em avião: quais as regras?

Transporte de animais em avião

Vai viajar e não sabe o que fazer com o seu animal de estimação? Essa situação é muito comum e, cada vez mais, as pessoas preferem levar os cães e gatos do que deixá-los com alguém. Para facilitar sua vida e você poder voar com seu companheiro, as companhias aéreas oferecem o serviço de transporte de animais em avião.

Atualmente, você pode transportar o pet ao seu lado na cabine ou no bagageiro da aeronave. A tarefa não é das mais simples, porque existem uma série de requisitos a serem cumpridos, o que demanda planejamento. Além disso, ainda depende das restrições das empresas de acordo com o porte, a raça e a idade do animal.

Cuidado com seu animal de estimação

Antes de se preocupar com as regras das companhias aéreas para o transporte de animais em avião, você deve pensar no seu pet. Afinal, ficar preso em uma caixa de transporte vai exigir uma adaptação do animal. Por isso, é importante avaliar as condições do seu cachorro ou gato e consultar um veterinário antes de decidir levá-lo.

Então, por mais amigável que seu animal de estimação seja, estude se ele ficará bem acomodado na viagem, não ficará estressado e não haverá risco à saúde dele. Uma recomendação comum é planejar voos diretos e trajetos curtos. Com isso, você consegue controlar a ansiedade dos pets e evitar a desidratação.

Comprando a “passagem” para o seu pet

Depois de decidir usar o serviço para o transporte aéreo de animais, é fundamental verificar as regras específicas de cada companhia. Elas variam bastante de empresa para empresa e dependem também do modelo do avião, pois nem todos permitem acomodar animais a bordo. Acesse aqui e confira as regras de cada uma delas.

As companhias normalmente cobram uma taxa para o transporte. A reserva deve ser feita com antecedência e está sujeita a confirmação. Mas muita gente se pergunta, por exemplo, quanto custa para levar cachorro no avião, ou o valor da passagem aérea para cachorro. Acesse aqui para saber detalhes sobre custos para o pet voar na cabine ou no porão e prazo para fazer a reserva.

Caixa para o transporte de animais em avião

Agora está na hora de você conhecer as normas para poder levar seu cachorro ou gato para a viagem. A regra geral é que eles sejam acomodados limpos e sem odor desagradável em uma caixa de transporte de animais em avião. Conhecida como “kennel”, a caixa pode ser comprada em pet shops ou lojas especializadas.

Você deve consultar a medida específica permitida por cada companhia aérea — veja aqui. Quando for comprar, leve as especificações para medir e comparar as dimensões na loja.

Normalmente, a caixa tem que ser resistente, bem ventilada e com tamanho adequado para o animal. Além de uma trava que impossibilite o cachorro ou gato de sair do “kennel”. Lembre também que o pet precisa de espaço para se movimentar e conforto, já que vai ficar na caixa durante toda a viagem.

Para o seu companheiro estar pronto para viajar na caixa, recomenda-se iniciar a adaptação com 15 dias de antecedência. Confira mais dicas:

  • Deixe a caixa aberta e acessível para o pet em um local dentro da casa. Assim, ele poderá se familiarizar com o ambiente.
  • Ofereça refeições e brinque com o animal dentro do “kennel”, tornando o local confortável.
  • Enquanto o cão ou gato fica na caixa, feche a porta para ele se acostumar. Aos poucos, aumente o tempo de permanência dentro da caixa e se afaste para ele também se habituar com a sua ausência.

Onde levar o seu animal de estimação?

Mesmo com o seu pet dentro da caixa, o transporte de animais em avião tem outros procedimentos. Tudo depende do modo que você vai levá-lo: na cabine ou no bagageiro.

  • Cabine: você precisa colocar o animal abaixo do assento e ele deve permanecer dentro da caixa durante a viagem.
  • Porão: é necessário identificar o pet e também a caixa de transporte. No local, o “kennel” é preso para evitar que fique se mexendo e deixando o animal agitado. É indicado forrar a caixa com tapete higiênico e deixar uma peça de roupa com seu cão ou gato.

Vale também ficar atento ao desembarque. Se o pet tiver viajado no bagageiro do avião, ele não será colocado na esteira. Mas sim na área de retirada de bagagens.

Vacinas e atestados

Além da caixa, o transporte aéreo de animais depende da documentação do pet estar dentro dos prazos permitidos. O animal deverá estar com as vacinas em dia e ter um atestado de saúde específico para aquela viagem aérea.

Verifique se as vacinas estão atualizadas ou vencidas. Se não for possível comprovar a vacinação antirrábica por exemplo, é preciso aplicar novamente dentro de um prazo mínimo antes do voo. Em geral, são ao menos 30 dias antes da viagem, mas é melhor consultar a companhia aérea para evitar dúvidas.

Sobre o atestado de saúde do seu animal, cada empresa também tem sua regra, você pode conferir todas as regras de documentação aqui. No entanto, os emitidos no máximo 10 dias antes do voo são aceitos. Então, não se esqueça de procurar o veterinário e pedir o atestado para a viagem.

Como fazer nas viagens internacionais

O transporte de animais em avião também está restrito a especificações para viagens internacionais. Para levar animais para o exterior ou trazê-los para o Brasil, é preciso verificar três itens principais:

1. Se a espécie do animal é aceita no país

2. Quais vacinas são exigidas

3. Com que antecedência deve ser emitido o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI). A certidão é expedida pela Vigilância Agropecuária Internacional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Uma opção prática para quem costuma viajar bastante com o animal dentro do Brasil ou no Mercosul é fazer o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos. Esse documento serve como atestado de saúde no Brasil e substitui o CZI na Argentina, no Uruguai, no Paraguai e na Venezuela.

Esse passaporte prevê a existência da identificação eletrônica do animal por meio de um microchip. Você pode fazê-lo em unidades do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), situadas em aeroportos, portos e postos de fronteira nos estados. Para mais informações, acesse o site do Ministério da Agricultura.

Para transportar quaisquer outros animais além de cães e de gatos, é necessária a Guia de Trânsito Animal (GTA). Esse documento é emitido pelo Ministério da Agricultura ou pelo órgão de defesa sanitária nos estados.

Dicas para viajar com seu pet

Para viajar com seu pet com tranquilidade seja na cabine ou no porão do avião, você deve seguir certos passos. Veja a seguir como facilitar o transporte de animais em avião:

  • Na véspera da viagem, é recomendado dar banho e aparar as unhas do animal;
  • No dia da viagem, ofereça alimentos leves e, para evitar enjoos, a última refeição deve ser de duas a três horas antes do embarque;
  • Dê água em casa, no aeroporto e antes do voo para ele se hidratar o suficiente para a viagem;
  • Antes do embarque, passeie um pouco com seu animal;
  • Evite embarcar muito antes, a não ser que o animal esteja nervoso no aeroporto. Brinque com ele para ajudá-lo a relaxar.

Essas dicas são valiosas para o seu pet viajar sem estresse.

Como funciona o embarque com cães-guia?

Outra dúvida que você pode ter é em relação à presença de cães-guia. Mas as regras para transporte de animais domésticos não se aplicam a cães-guia ou cães de acompanhamento. Eles são especialmente treinados para viajar de avião e podem voar ao lado de seus proprietários, fora do “kennel”.

Se a viagem for entre cidades brasileiras, você precisa apresentar o comprovante de treinamento e a carteira de vacinação do animal, emitida por médico veterinário. No documento, devem constar as vacinas múltipla e antirrábica válidas, além do tratamento anti-helmíntico. Em caso de viagem internacional, é preciso portar o Certificado Zoosanitário Internacional (CZI).

O cão deve ser transportado sempre no chão da cabine, ao lado do proprietário e sob seu controle, com o auxílio de arreio. O dono também deve fornecer a alimentação necessária para o animal. Confira aqui todas as regras para o transporte de cães-guia.