Clipping

17/12/18

CLIPPING 17/12/2018

JORNAL O GLOBO

Aeroporto de Guarulhos registra atrasos pelo quarto dia seguido

https://oglobo.globo.com/economia/aeroporto-de-guarulhos-registra-atrasos-pelo
-quarto-dia-seguido-23309401

Aeroporto de Guarulhos tem longas filas e cancelamentos pelo
3º dia neste sábado

https://oglobo.globo.com/economia/aeroporto-de-guarulhos-tem-longas-filas
-cancelamentos-pelo-3-dia-neste-sabado-23308634

Saiba como viajar em segurança com o seu animal de estimação

https://oglobo.globo.com/boa-viagem/saiba-como-viajar-em-seguranca-com-seu
-animal-de-estimacao-23303182

Boeing abre primeira fábrica do 737 na China em meio à guerra comercial

https://oglobo.globo.com/economia/boeing-abre-primeira-fabrica-do-737-na-china-em-meio
-guerra-comercial-23309268

Avianca trabalhava para vender fatia da empresa, diz fonte

https://oglobo.globo.com/economia/avianca-trabalhava-para-vender-fatia

-da-empresa-diz-fonte-23308122

Maia quer votar projeto de lei de abertura de aéreas na próxima semana

https://oglobo.globo.com/economia/maia-quer-votar-projeto-de-lei-de-abertura-de-aereas
-na-proxima-semana-23306831

 

FOLHA DE SÃO PAULO

Número de passageiros em voos no país cai ao patamar do início da década

SÃO PAULO

Citada como uma das causas que levaram à recuperação judicial da Avianca Brasil, a
recessão atingiu em cheio também as outras companhias aéreas que operam voos domésticos
no país.

O volume de passageiros atendidos por todas as empresas brasileiras de aviação comercial
desabou desde 2014 para níveis do início desta década. Os dados de 2018 apontam para
uma reação discreta.

Para os próximos anos, como mostrou a Folha neste sábado (15), o governo estima que a
retomada será suficiente para levar à saturação dos maiores aeroportos do país, que já estão
próximos de seus limites de operação, com potencial de trazer mais problemas ao setor.

A dificuldade do mercado ficou explícita no caso da Avianca —com a recuperação judicial
anunciada na semana passada. O presidente Michel Temer liberou a participação estrangeira
de 100% nas companhias brasileiras na tentativa de atrair recursos.

Para especialistas, a medida beneficia todo o setor, que é intensivo em capital.

“O mercado de aviação precisa de muito investimento”, diz o advogado Guilherme Amaral,
sócio do escritório ASBZ e especialista em direito aeronáutico.

“Um dos grandes desafios do Brasil sempre foi este: é difícil conseguir dinheiro aqui, e essa
é uma das razões para as quatro companhias nacionais já terem participações estrangeiras
há tempos”, afirma.

A Folha analisou diferentes fontes de dados para verificar o impacto da crise e a intensidade
da recuperação.

O mercado doméstico cresceu até 2014, mas a recessão no país, iniciada no governo Dilma
Rousseff (PT), chegou a causar queda de 17% em um ano no número de passageiros que
pagam por seus bilhetes, entre 2015 e 2016.

A conclusão foi depurada no banco de dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil),
que fornece informações de cada voo no Brasil.

Os dados, que cobrem de janeiro a agosto, foram tabulados pela reportagem e representam
passageiros que pagaram por suas passagens —exclui-se, por exemplo, quem usou
programas de milhas. Estão contempladas Gol, Latam, Azul e Avianca Brasil.

Pelos dados da Anac, o nível atual de transporte doméstico é semelhante ao patamar de 2011.

Nos primeiros oito meses deste ano, ainda houve queda no número de passageiros em
relação ao mesmo período de 2017. O ritmo da retração, porém, diminuiu para 2% —antes,
fora de 6%— de 2016 para 2017.

Com metodologia diferente, a Abear (associação das grandes empresas aéreas) aponta que
o mercado doméstico atual recuou para o nível de 2013, início de sua série histórica.

Os dados da entidade mostram que o pior da crise ficou para trás, a despeito do susto
provocado agora pela Avianca.

Segundo a metodologia da Abear, que considera o total de passageiros transportados, há
leve crescimento no número de viajantes entre janeiro e outubro de 2018 (3,4%), em relação
ao mesmo período do ano passado.

Eduardo Sanovicz, presidente da Abear, estima que neste ano serão transportados 92 milhões
de passageiros, acima dos 89,8 milhões de 2017, quado a crise já parecia estancada. Em
2014, o total bateu em 94,8 milhões.

Os números reagem, mas permanecem as queixas do setor em relação aos custos.

A aviação envolve muitos riscos, como variações de câmbio, taxa de juros, pandemias e
guerras. No Brasil, acrescentam-se os riscos regulatórios. A jornada de trabalho média da
tripulação brasileira é 10% a 15% menor que a média mundial, diz Sanovicz.

Custos com alojamento, transporte e alimentação de passageiros em caso de más condições
meteorológicas são cobertos pelas companhias.

“Todas essas questões se somaram à disparada do preço do querosene de aviação e do
câmbio, no momento em que a economia andou de lado por dois anos, afastando o passageiro
corporativo, por causa dos negócios parados, e o de lazer, no cenário de desemprego”, diz
Sanovicz.

Para se readequar à demanda reduzida, companhias restringiram a oferta de assentos e o
porte de aeronaves, cortaram destinos e demitiram.

John Rodgerson, presidente da Azul, afirma que a companhia teve de vender 20 aeronaves
após 2014. “Mas hoje temos mais ativos do que naquela época. Nos últimos 36 meses,
levantamos US$ 1,2 bilhão e abrimos capital”, diz.

Já houve movimentos de entrada estrangeira relevantes na Latam —que em 2016 anunciou
acordo para a Qatar Airways comprar uma fatia da empresa. A Azul em 2015 anunciou a
venda de quase 24% do capital não votante para o grupo chinês HNA, que depois o vendeu.

Para o advogado Bruno Werneck, sócio do escritório Mattos Filho e especialista no setor, as 

carências de infraestrutura nos aeroportos agravam atrasos e cancelamentos, que geram
custos.

“Se houvesse mais investimentos, por exemplo, em Santos Dumont e Congonhas, o que não
é feito porque estão nas mãos da Infraero, resolveria grande parte dos problemas”, diz.

Procurada, a Anac afirma que os gargalos apontados pelas companhias como causadores de
custos estão fora de seu escopo de atuação.

A Latam afirma que “o setor aéreo nacional enfrenta barreiras estruturais que elevam seus
custos, como gargalos de infraestrutura, a legislação trabalhista restritiva, com maior
responsabilidade das companhias em prestar assistência aos passageiros”. A Gol não se
manifestou.

A Avianca Brasil afirma que, desde 2014, cresceu em malha, frota e colaboradores.

 

Governo Temer alerta Bolsonaro sobre saturação de aeroportos

Joana Cunha

SÃO PAULO

A gestão Michel Temer alertou a equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro
(PSL), sobre a saturação que o novo governo encontrará nos principais aeroportos do país.

Integrantes da equipe do eleito compareceram no fim de novembro à apresentação de um
estudo feito pelo Ministério dos Transportes e pela Secretaria de Aviação Civil.

De acordo com as projeções, os aeroportos de Congonhas e Guarulhos irão atingir o limite de
suas capacidades de movimento de aeronaves nas pistas em 2020 e 2022, respectivamente.

O aeroporto de Viracopos, em Campinas, teria capacidade suficiente para absorver a
demanda reprimida caso fosse considerado o investimento para a implementação de uma
nova pista em 2026.

Juntos, os três aeroportos concentram hoje 36% da demanda nacional e devem fechar o ano
com 72 milhões de passageiros. Esse número deve ultrapassar 180 milhões em 2038,
conforme projeções do ministério.

Para companhias aéreas, na prática, Congonhas e Guarulhos já têm escassez de vagas para
pousos e decolagens nos horários de maior demanda.

Há diversas alternativas na mesa —como a construção da terceira pista em Guarulhos, mais
duas pistas em Viracopos ou a redistribuição do excedente de demanda para o Rio de Janeiro.

No entanto, segundo Dario Rais Lopes, secretário nacional de Aviação Civil, essas saídas
não são consistentes.

Para ele, a construção da terceira pista de Guarulhos é um empreendimento de viabilidade
duvidosa. Hoje, o terminal está sob concessão.

"Uma possível extensão do prazo de concessão em cinco anos não seria suficiente para
reequilibrar o contrato, porque ela não se paga em cinco anos", disse Rais Lopes. O custo
estimado da obra é de mais de R$ 500 milhões.

A absorção do excedente de passageiros da Grande São Paulo por Viracopos ou aeroportos
do Rio de Janeiro também é vista como solução ruim, porque o deslocamento representa
menos conforto, segundo o secretário.

"Existem paliativos que podem ser aplicados em alguns aeroportos, mas não em todos. E a
solução não envolve só o aeroporto, é preciso pensar no entorno. É espaço aéreo, pátio,
terminal e acesso", disse Rais Lopes.

Um das alternativas é aumentar de 34 para 39 o número de slots (autorizações de pousos e
decolagens) por hora no aeroporto de Congonhas, medida que deve entrar em prática no ano
que vem, conforme a Folha antecipou.

A expansão, no entanto, levanta preocupações em relação ao aumento do trânsito na zona sul
de São Paulo e foi criticada por companhias aéreas.

O presidente da Latam Airlines, Jerome Cadier, disse que a infraestrutura de Congonhas não
tem mais espaço para embarcar passageiros com agilidade. Especialistas afastam riscos para
a segurança dos voos, mas alertam para risco de atrasos.

Para o caso de Guarulhos, o estudo do ministério afirma que se "almeja que a capacidade
aumente de 52 movimentos [de pousos e decolagens] na hora do pico para 60 movimentos".

Uma saída para evitar a construção de um novo aeroporto na Grande São Paulo é ampliar
para 75 slots.

A GRU Airport, concessionária do aeroporto de Guarulhos, inaugurou na terça-feira (11) um
procedimento que permite que pousos e decolagens ocorram simultaneamente, em duas
pistas.

Chamada de projeto Agile, a tecnologia busca elevar a eficiência do tráfego aéreo como parte
do esforço de aumentar a capacidade do aeroporto.

Procurada, a concessionária informa que o terminal recebeu autorização para operar 55 voos
por hora a partir de março de 2019. Segundo Rais Lopes, o número deve ser impulsionado
para 60 também já no ano que vem.

A Infraero diz que não responde sobre o assunto porque o plano foi desenhado pela área
técnica do ministério.

A ausência de soluções equilibradas leva ao resgate de uma antiga discussão sobre a
construção de mais um aeroporto no estado. Segundo Rais Lopes, ainda é cedo para discutir
local.

O município de Caieiras foi aventado durante o governo Dilma Rousseff (PT).

"O importante agora é ter consciência do tempo de ciclo de um aeroporto. Entre começar a
discutir e entregar leva mais de dez anos. É preciso começar a discutir agora", diz o secretário.

O advogado Bruno Werneck, sócio do escritório Mattos Filho e especialista em infraestrutura,
pondera que as projeções governamentais sobre movimento de aeroportos costumam ser
otimistas, conforme se observou na concessão de Viracopos, que foi impactado por uma
demanda inferior ao projetado.

 

Boeing abre primeira fábrica de 737 na China em meio a guerra comercial

ZHOUSHAN, CHINA

A Boeing abriu sua primeira fábrica de jatos 737 na China neste sábado, um investimento
estratégico destinado a alcançar a liderança de vendas sobre a rival Airbus num dos principais
mercados de viagens do mundo. O investimento foi, porém, ofuscado pela guerra comercial
EUA-China.    

A maior fabricante de aviões do mundo também entregou o primeiro dos 737 Max vendido no
complexo em Zhoushan, cerca de 290 quilômetros a sudeste de Xangai, para a aérea local Air
China.

Os executivos, juntamente com representantes do órgão regulador de aviação da China,
mostraram o avião em um evento com participação de centenas de pessoas.Boeing e Airbus
estão expandindo presença na China, enquanto disputam pedidos no crescente mercado de
aviação, que deve superar os Estados Unidos como maior do mundo na próxima déca
crescente mercado de aviação, que deve superar os Estados Unidos como maior do mundo
na próxima década.

A Boeing investiu US$ 33 milhões no ano passado para obter uma participação majoritária
em uma joint venture com a estatal Comac (Commercial Aircraft Corp of China) para construir
o centro de conclusão de montagem.

A Boeing se considera a maior exportadora dos EUA e entregou mais de um em cada quatro
aviões que fez no ano passado para clientes na China, onde prevê uma demanda de 7,7 mil
novos aviões nos próximos 20 anos avaliados em US$ 1,2 trilhão.

Mas a cerimônia inaugural da fábrica foi ofuscada pelas tensões entre Estados Unidos e
China, no meio de uma contundente guerra tarifária. As duas maiores economias do mundo
estão em um período de 90 dias para negociar um acordo comercial.

"Estou nervoso com a situação? Sim, é claro. É um ambiente desafiador", disse John Bruns,
presidente da Boeing China, a repórteres em teleconferência.    

Embora os atritos comerciais tenham prejudicado empresas como os produtores de soja dos
EUA e os fabricantes chineses, seu impacto na Boeing ainda não está claro. Aeronaves
fabricadas nos EUA até agora escaparam das tarifas de Pequim.

A Boeing pretende atingir a meta de entrega de 100 aviões por ano em Zhoushan, embora
Bruns tenha refletido sobre a rapidez com que alcançará esse nível e disse que a Boeing não
tem plano de expandir o trabalho para outros tipos de aeronaves.

A Boeing também espera que a usina alivie a pressão nas instalações de Seattle, onde
planeja aumentar a produção em 2019 do avião 737, o mais vendido, mas com problemas
de produção.

 

Para ajudar o setor, presidente da Azul defende mais voos em Congonhas

Paula Soprana

SÃO PAULO

O presidente da Azul, John Rodgerson, afirmou nesta sexta-feira (14) que são mais eficazes
para o setor de aviação novas permissões para pousos e decolagens no aeroporto de
Congonhas, em São Paulo, do que a liberação de estrangeiros para assumirem o controle de
companhias aéreas.

“Somos 100% favoráveis [à liberação], desde que possamos lutar com as mesmas armas”,
afirmou Rodgerson. “Se quer abrir [para o capital estrangeiro], vamos abrir para tudo, abrir
slots [pousos e decolagens] em Congonhas. Seria perfeito para nós.”

O aumento da oferta de voos em Congonhas é um pleito das companhias aéreas, que
defendem a medida como uma das saídas para driblar problemas financeiros. O governo
avalia aumentar de 34 autorizações por hora para 39.

Após o pedido de recuperação judicial da Avianca, deferido na quinta-feira (13), o presidente
Michel Temer assinou uma medida provisória que libera estrangeiros a assumir o controle de
companhias aéreas, podendo chegar a 100% do capital. O limite até então é de 20%.

Entre as disparidades com outros mercados, o presidente da Azul cita o custo de dívida das
companhias brasileiras em comparação com a dos Estados Unidos, que é mais alto, o preço
do combustível, o prazo de financiamento de ativos e as regras para pilotos.

Além disso, reforça que 50% dos custos da aviação brasileira são dolarizados e que a moeda
chegou a valer R$ 4 neste ano.

“Alguém pode pular no Brasil só quando é favorável e ir embora depois. Não adianta vir aqui
e só aproveitar o bom momento”, diz Rodgerson, que também é dono de 45% da portuguesa
TAP.

David Neeleman, fundador e presidente do conselho de administração da Azul, informou 

nesta sexta-feira, ao jornal Valor Econômico, que a companhia estudava uma oferta de
compra da Avianca Brasil e que analisava a possibilidade no curto prazo.

Mais tarde, a Azul informou que, na verdade, Neeleman se referia “ao dever fiduciário da
empresa de avaliar potenciais oportunidades de mercado”.

“Não tem nada em curso, nenhuma negociação. Qualquer gestor tem de olhar para o mercado,
mas não temos nada em curso, temos crescimento aqui na frente”, ressaltou Rodgerson.

Segundo ele, a Azul não está estudando ofertas.

A estimativa da companhia, que completa dez anos neste sábado (15), é de crescimento de
15% a 17% no ano que vem.

De acordo com o dirigente, cem novos aviões devem chegar em breve para integrar a frota
da empresa, cada um a um custo aproximado de US$ 55 milhões (R$ 215 milhões), a serem
quitados em um período de sete anos.

Sobre a medida provisória e a absorção da demanda de passageiros da Avianca, cuja dívida
alcança R$ 493,9 milhões, o presidente da Azul diz que “quase nada vai acontecer” no curto
prazo. “Torcemos pela Avianca”, afirmou.

 

Associação internacional de empresas aéreas comemora decisão de Temer

SÃO PAULO

A Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo) comemorou a medida provisória
assinada pelo presidente Michel Temer que libera estrangeiros para assumirem o controle de
companhias aéreas no país podendo chegar a 100% do capital. Hoje, esse limite é 20%.

A associação, que representa cerca de 290 empresas aéreas e abrange 82% do tráfego global,
disse em nota que o anúncio é mais um passo importante para a modernização do marco
regulatório do transporte aéreo do Brasil.

"Com esta decisão, o governo brasileiro reconhece a aviação como um contribuinte vital para
o bem-estar econômico e social do país, propondo medidas que aumentem a competitividade
da indústria, além de proporcionar uma maior escolha para o consumidor brasileiro."

Antecipando-se a Jair Bolsonaro, o presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (13)
uma medida provisória que permite o capital estrangeiro em companhias aéreas no país em
até 100%.

A decisão foi tomada em meio ao processo de recuperação judicial da Avianca  e abre caminho
para investidores estrangeiros interessados em assumir a companhia diante da inexistência
de alternativas entre empresários locais.

A total abertura de capital do setor a estrangeiros seria uma das primeiras medidas do futuro
ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, segundo a cúpula de Bolsonaro.

Antes de baixar a MP, o governo atual consultou o futuro ministro da economia, Paulo Guedes.
Liberal, ele disse à Folha que concordou imediatamente com a medida, mas pediu tempo
para consultar Jair Bolsonaro.

Pouco depois, com o aval do presidente eleito, Guedes ligou para o ministro Eliseu Padilha
(Casa Civil) e disse “vamos em frente”.

A medida provisória foi publicada nesta quinta-feira (13) em edição extra do "Diário Oficial da
União", com efeito imediato.

 

Aeroporto de Guarulhos enfrenta quarto dia de atrasos

SÃO PAULO

Passageiros do aeroporto de Guarulhos continuam tendo que enfrentar voos atrasados na
manhã deste domingo (16).

É o quarto dia consecutivo de atrasos, que começaram na quinta (13), depois que fortes
chuvas atingiram a capital paulista.

Desde 0h até 18h deste domingo, 74 voos dos 480 previstos não saíram ou chegaram no
horário, o que corresponde a cerca de 15% do total. Até agora, houve um cancelamento.

Segundo a GRU Airport, concessionária que administra o terminal, o aeroporto opera
normalmente, mas as companhias aéreas ainda não conseguiram normalizar seus voos
depois de todos os atrasos e cancelamentos de sexta (14).

Na sexta, dos 509 voos, 216 tiveram atrasos de mais de 30 minutos. Pelo menos 32 voos
foram cancelados.

Neste sábado (15), o problema continuou: dos 530 voos previstos, entre partidas e chegadas,
146 tiveram atrasos acima de 30 minutos e, até as 18h, 43 voos tinham sido cancelados.

Clique aqui e confira a situação do aeroporto de Cumbica. ?

TEMPORAL

?As fortes chuvas que atingiram diferentes pontos de São Paulo na quinta deixaram a capital
paulista em estado de atenção, com pelo menos 14 pontos de alagamentos.

Segundo os bombeiros, houve a queda de 67 árvores. Como algumas caíram em áreas
energizadas, foi preciso interromper o fornecimento de energia elétrica em alguns bairros da
cidade.

O último fim de semana da primavera – o verão começa na sexta-feira (21) – teve calor
intenso em São Paulo.

Neste sábado (15), a região de Pinheiros, na zona oeste, registrou temperatura máxima de
36,8ºC, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas). A média
máxima da cidade foi de 34,4ºC.

O calor continua nos próximos dias e há chance de chuva no fim da tarde.

 

O ESTADO DE SÃO PAULO

Passageiros de Cumbica enfrentam atrasos pelo quarto dia seguido

https://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,passageiros-de-cumbica-enfrentam
-atrasos-pelo-quarto-dia-seguido,70002648464

 

CORREIO BRAZILIENSE

Cobrança por despacho de malas é considerada ofensa ao consumidor

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/12/17/interna_cidadesdf
,725733/regras-de-despacho-de-mala.shtml

Pelo 2º dia consecutivo, Aeroporto de Brasília registra atrasos

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/12/15/interna
_cidadesdf,725602/atrasos-no-aeroporto-de-brasilia.shtml

Aeroporto de Brasília tem 56 atrasos por causa de mau tempo em SP

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/12/14/interna_cidadesdf
,725512/aeroporto-de-brasilia-tem-56-atrasos-por-causa-de-mau-tempo-em-sp.shtml

Mesmo com a alta do dólar, aumenta procura por viagens internacionais

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/12/15/internas_economia
,725518/mesmo-com-a-alta-do-dolar-aumenta-procura-por-viagens-internacionais.shtml

Justiça dá 30 dias para Avianca resolver dívida com donos de aviões

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/12/14/internas
_economia,725330/justica-da-30-dias-para-avianca-resolver-divida-com-donos
-de-avioes.shtml

 

AGÊNCIA BRASIL

Passageiros ainda enfrentam filas e atrasos de voos em Guarulhos

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-12/passageiros-enfrentam-filas
-no-aeroporto-de-guarulhos

Aeroportos da Infraero devem receber 5 milhões de pessoas até janeiro

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-12/aeroportos-da-infraero-devem
-receber-5-milhoes-de-pessoas-ate-janeiro

Companhias têm dificuldades para regularizar voos em Guarulhos

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-12/companhias-tem-dificuldades
-para-regularizar-voos-em-guarulhos

 

G1

Aeroporto de Cumbica registra 5º dia seguido de atrasos em voos após
temporal que atingiu SP

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/12/17/aeroporto-de-cumbica-registra-5o
-dia-seguido-de-atrasos-em-voos-apos-temporal-que-atingiu-sp.ghtml

Aeroporto de Guarulhos, na Grande SP, tem atrasos pelo 4º dia seguido

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/12/16/aeroporto-de-guarulhos-tem-atrasos
-e-cancelamentos-pelo-4o-dia-seguido.ghtml

Aeroporto de Belém recebe visitantes com programação natalina

https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2018/12/16/aeroporto-de-belem-recebe-visitantes
-com-programacao-natalina.ghtml

Aeroporto de Brasília registra atrasos e cancelamentos pelo 2º dia seguido

https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2018/12/15/aeroporto-de-brasilia-registra-atrasos
-e-cancelamentos-pelo-2o-dia-seguido.ghtml

Veja os direitos do passageiro em casos de atrasos ou cancelamento de voos

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/12/15/veja-os-direitos-dos-passageiros-em
-casos-de-atrasos-ou-cancelamento-de-voos.ghtml

?Boeing abre 1ª fábrica de 737 na China em meio a guerra comercial

https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/12/15/boeing-abre-1a-fabrica-de-737
-na-china-em-meio-a-guerra-comercial.ghtml

Estrangeiros já têm fatia em aéreas brasileiras; veja o que está em jogo

https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/12/14/estrangeiros-ja-tem-fatia-em-aereas
-brasileiras-veja-atual-composicao-acionaria.ghtml

 

BOM DIA PARANÁ

Passagens aéreas sobem bastante nesta época

https://globoplay.globo.com/v/7238027/

 

JORNAL DAS DEZ

Aeroporto de Guarulhos tem atrasos e cancelamentos neste sábado (15)

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/v/aeroporto-de-guarulhos-tem-atrasos
-e-cancelamentos-neste-sabado-15/7237198/

 

BOM DIA SP

Aeroporto de Cumbica registra atrasos em voos

https://globoplay.globo.com/v/7237845/

 

CBN

Passageiros continuam enfrentando transtornos no Aeroporto de Cumbica

https://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/233813/passageiros-continuam-enfrentando
-transtornos-no-a.htm

 

BOM DIA BRASIL

Aeroporto Internacional de Guarulhos amanhece com voos atrasados

https://globoplay.globo.com/v/7237959/

 

JORNAL GLOBONEWS

Medida provisória das aéreas aumenta competição, mas custo é entrave

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/v/medida-provisoria-das-aereas
-aumenta-competicao-mas-custo-e-entrave/7235491/

 

DCI

Gol vai rever plano de incorporação da Smiles

https://www.dci.com.br/neg%C3%B3cios/gol-vai-rever-plano
-de-incorporac-o-da-smiles-1.766687

Ação da Gol lidera altas da bolsa, com avanço de 7,5%

https://www.dci.com.br/economia/ac-o-da-gol-lidera-altas-da-bolsa
-com-avanco-de-7-5-1.766549

Abertura a capital estrangeiro deveria ter contrapartida, diz fundador da Azul

https://www.dci.com.br/economia/abertura-a-capital-estrangeiro-deveria-ter-contrapartida-diz
-fundador-da-azul-1.766548

 

PANROTAS

Presstur da Latam segue os passos de Jesus em Israel

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/presstur-da
-latam-segue-os-passos-de-jesus-em-israel_161063.html

Brasil entra com petição na OMC sobre subsídios à Bombardier

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/brasil-entra-com-peticao
-na-omc-sobre-subsidios-a-bombardier_161053.html

Delta comemora resultados de 2018 e mira alta consecutiva

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/delta-comemora
-resultados-de-2018-e-mira-alta-consecutiva_161057.html

GRU inicia operação de pousos e decolagens simultâneos

https://www.panrotas.com.br/aviacao/aeroportos/2018/12/gru-inicia-operacao

-de-pousos-e-decolagens-simultaneos_161052.html

Leilão de 12 aeroportos brasileiros já tem data marcada

https://www.panrotas.com.br/aviacao/aeroportos/2018/12/leilao-de-12
-aeroportos-brasileiros-ja-tem-data-marcada_161051.html

Tap planeja economia de €30 milhões em combustível para 2019

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/tap-planeja-economia
-de-%E2%82%AC30-milhoes-em-combustivel-para-2019_161055.html

Iata aplaude capital estrangeiro para aéreas brasileiras

https://www.panrotas.com.br/aviacao/investimentos/2018/12/iata-aplaude
-capital-estrangeiro-para-aereas-brasileiras_161049.html

Tartaruga marinha enfeita primeiro A380 da All Nippon; fotos

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/tartaruga-marinha
-enfeita-primeiro-a380-da-all-nippon-fotos_161016.html

Delta e Gol construirão casas em comunidade pernambucana

https://www.panrotas.com.br/aviacao/turismo/2018/12/delta-e-gol-construirao
-casas-em-comunidade-pernambucana_161029.html

Tap voará de Lisboa para São Francisco a partir de junho

https://www.panrotas.com.br/aviacao/novas-rotas/2018/12/tap-voara-de
-lisboa-para-sao-francisco-a-partir-de-junho_161037.html

 

MERCADO E EVENTOS

Curaçao inaugura voo direto de São Paulo e espera receber 25 mil
brasileiros em 2019; fotos

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/curacao-inaugura-voo-direto
-a-partir-de-sao-paulo-e-espera-receber-25-mil-brasileiros-em-2019/

All Nippon Airways recebe 1° A380 com pintura de tartarugas do Havaí

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/all-nippon-airways-recebe-1-a380
-com-pintura-de-tartarugas-do-havai/

Viracopos inicia operação para receber 834 mil passageiros

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/viracopos-inicia
-operacao-para-receber-834-mil-passageiros/

Aéreas brasileiras divergem sobre MP que abre setor ao capital estrangeiro

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/aereas-brasileiras-divergem-mp-abre
-setor-capital-estrangeiro/

Azul nega qualquer intenção de realizar oferta pela Avianca Brasil

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/azul-nega-qualquer-intencao
-de-realizar-oferta-pela-avianca-brasil/

Latam reduz tarifas Economy para voos à Europa; preços a partir
de R$ 2.092,34

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/latam-reduz-tarifas-economy
-para-voos-a-europa-precos-a-partir-de-r-2-09234/

Aeroportos estão prontos para a temporada de verão, diz Infraero

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/aeroportos-estao-prontos
-para-a-temporada-de-verao-diz-infraero/

Iata celebra assinatura da MP das aéreas: “mais um importante passo”

https://www.mercadoeeventos.com.br/n


abear no facebook

abear no twitter

São Paulo

Av. Ibirapuera, 2332 - Conj. 22 - Torre Ibirapuera I
04028-002 | Moema | São Paulo/SP
+ 55 11 2369-6007

Rio de Janeiro

Av. Marechal Câmara, 160 - Edifício Orly, 8º andar, Sala 832
20020-080 | Centro | Rio de Janeiro/RJ
+ 55 21 2532-6126

Brasília

SAUS Quadra 1 - Bloco J , 10/20 - Edifício CNT - Sala 506
70070-944 | | Brasília/DF
+ 55 61 3225-5215