Clipping

12/12/18

CLIPPING 12/12/2018

JORNAL O GLOBO

Avianca pode perder até 20% da frota por causa de dívidas atrasadas

https://oglobo.globo.com/economia/avianca-pode-perder-ate-20-da-frota-por-causa-de
-dividas-atrasadas-23289942

Avianca Brasil: saiba como ficam os direitos dos clientes da aérea

https://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/avianca-brasil-saiba-como
-ficam-os-direitos-dos-clientes-da-aerea-23298295

Avianca Brasil pede recuperação judicial por risco de paralisar
suas operações

https://oglobo.globo.com/economia/avianca-brasil-pede-recuperacao-judicial
-por-risco-de-paralisar-suas-operacoes-23297762

 

FOLHA DE SÃO PAULO

Avianca afasta risco de deixar passageiros sem decolar em dezembro

Joana Cunha

SÃO PAULO

Após protocolar um pedido de recuperação judicial na segunda-feira (10) mencionando o risco
de deixar 77 mil passageiros sem decolar neste mês, a Avianca Brasil divulgou nota na noite
desta terça-feira (11) afastando a possibilidade de deixar seus clientes sem atendimento.

 No comunicado desta noite, a companhia aérea diz ter obtido uma "primeira decisão da
Justiça", em que teve alguns de seus pedidos garantidos, "como a liberação de sua frota para
o cumprimento de todos os voos programados, nos aeroportos onde opera".

Sem entrar em detalhes, a Avianca diz no comunicado que "continuará atendendo todos os
clientes e voando para todos os destinos". O processo corre em segredo de Justiça. A
reportagem não teve acesso ao processo.

A empresa vinha negociando valores em torno de R$ 500 milhões com os seus arrendadores
nos últimos meses, segundo cálculos de executivos familiarizados com o assunto.

As negociações, no entanto, evoluíram para uma disputa judicial com empresas que arrendam
aeronaves.

No início deste mês, a coluna Mercado Aberto, da Folha, antecipou os casos das empresas
que entraram na Justiça contra a Avianca Brasil para pedir a retomada de aviões por falta de
pagamento.

A irlandesa Constitution Aircraft obteve liminar para reaver 11 aviões. A subsidiária da BOC
Aviation venceu em primeira instância processo para reaver outros dois aviões, em uma
sentença da qual a Avianca recorreu.

A negociação mais dura emperrou com a arrendadora das 11 aeronaves, que entrou na
Justiça para retomar os ativos.

Internamente, executivos da Avianca justificam que as parcelas mais recentes devidas à
Constitution Aircraft não foram pagas porque ainda estavam em discussão. O pedido de
recuperação judicial seria, portanto, um "contra-ataque" da Avianca Brasil à atitude da
arrendadora de entrar na Justiça, na tentativa de barrar a retomada das aeronaves, que
provocaria um caos nas operações da Avianca, com impacto sobre quase 30% da frota,
conforme foi descrito no pedido de recuperação judicial.

 Em seu pedido de recuperação judicial, a Avianca afirma que, se acontecer a reintegração de
posse de 14 aeronaves, que está sendo pleiteada em três ações judiciais, haverá uma uma
redução aproximada de 30% da frota, "o que inviabilizará o atendimento aproximado de
77 mil passageiros entre 10.12.2018 e 31.12.2018, que adquiriram as passagens aéreas, o
que ocorrerá em período de alta temporada".

O juiz ainda não concedeu a recuperação judicial, mas o comunicado divulgado pela Avianca
Brasil  na noite desta terça-feira cita uma decisão judicial que garantiu solicitações como a
liberação da frota para o cumprimento de todos os voos programados nos aeroportos onde
opera.

"A companhia reforça que suas operações não serão afetadas. Os passageiros podem ter
absoluta tranquilidade em fazer suas reservas e adquirir seus bilhetes, pois todas as vendas
serão honradas e os voos mantidos", diz a nota da Avianca publicada na noite desta
terça-feira (11).

De acordo com o comunicado da empresa, "com a aceitação do pedido de recuperação
judicial, as aeronaves não precisam ser entregues e as operações continuam normalmente".

A Avianca Brasil tem hoje 54 aeronaves em operação. O plano inicial era alcançar 56 até o
final deste ano, mas a empresa nem chegou a colocar na operação as outras duas aeronaves.  

Diante das dificuldades financeiras enfrentadas neste ano por causa da alta do dólar e do
querosene de aviação, em agosto, a companhia decidiu fazer uma readequação de sua
malha, com a devolução de oito aeronaves. Para readequar sua frota, a empresa ficaria,
portanto, com 46 aeronaves.

Procurada por meio de sua assessoria de imprensa, a Avianca Brasil não quis fornecer
informações sobre os detalhes das negociações.

 

Avianca entra com pedido de recuperação judicial

Joana Cunha

SÃO PAULO

A Avianca Brasil registrou pedido de recuperação judicial afirmando que, caso o requerimento
não seja concedido, poderá deixar de atender, até o fim do ano, 77 mil passageiros que já
compraram bilhetes.

A empresa diz no requerimento que já está sofrendo ameaças de paralisação de suas
operações porque já foram ajuizadas ações de reintegração de posse para a retomada de
aeronaves.

No documento, a Avianca afirma que se acontecer a reintegração de posse de 14 aeronaves,
que está sendo pleiteada em três ações judiciais, "isto representará uma redução aproximada
de 30% da frota, o que inviabilizará o atendimento aproximado de 77.000 passageiros entre
10.12.2018 e 31.12.2018, que adquiriram as passagens aéreas, o que ocorrerá em período
de alta temporada".  

Diz também que os empregos de mais de 5.500 funcionários ficarão ameaçados no final deste
ano se o pedido não for deferido porque terá de cessar suas atividades.

A companhia aérea vive hoje uma disputa jurídica com empresas que arrendam aeronaves.
No início deste mês, a coluna Mercado Aberto, da Folha, antecipou os casos das empresas
que entraram na Justiça contra a Avianca Brasil para pedir a retomada de aviões por falta de
pagamento.

A irlandesa Constitution Aircraft obteve liminar para reaver 11 aviões. A subsidiária da BOC
Aviation venceu em primeira instância processo para reaver outros dois aviões, em uma
sentença da qual a Avianca recorreu.

No pedido de recuperação judicial, a Avianca detalha a gravidade da situação. "A cessação
das operações de uma companhia aérea produz drásticas consequências aos
usuários-consumidores, que simplesmente deixarão de ser transportados", diz a empresa no
documento.

Também são mencionados riscos para a aliança Star Alliance, da qual a empresa faz parte.
Na hipótese de interrupção das operações da Avianca Brasil, diz o documento, seus
passageiros "deixarão de fazer conexões internacionais especialmente considerando-se as
associações de companhias aéreas internacionais a um grupo de membros, tal como a
Star Alliance, que compartilha destes serviços aéreos entre diversas companhias aéreas
no mundo todo".

A crise econômica, o preço do combustível de aviação e até a paralisação dos caminhoneiros
são mencionados como fatores que impactaram o fluxo de caixa. A empresa lembra que os
custos do combustível representam entre 30% e 45% das despesas operacionais de 

companhias aéreas.

A companhia diz também que, diante do cenário de dificuldades, adotou medidas de corte
de custos para reduzir os impactos. Em 2017, as operações domésticas apresentaram um
resultado positivo, mas as operações internacionais tiveram prejuízo.

Procurado para comentar o caso, o presidente da empresa, Frederico Pedreira, não
respondeu. A assessoria de imprensa da companhia também não se manifestou.

 A Avianca Brasil, que opera voos regulares desde 2002, atende hoje 25 destinos nacionais
e quatro internacionais e sua frota tem 54 aeronaves em operação, segundo informações da
empresa.

A companhia se destacou no mercado doméstico nos últimos anos por ter como diferencial
uma frota mais nova e pela agilidade em adotar inovações como as aeronaves A320neo, com
tecnologia para otimizar o uso de combustível. Ela também foi umas das pioneiras na Amérca
Latina a instalar internet a bordo e outros tipos de entretenimento. Na polêmica discussão em
torno da cobrança do despacho de bagagem, liberada em abril de 2017, a Avianca foi a última
a adotar a cobrança, apenas em setembro.

Dentre os argumentos apresentados pela Avianca Brasil para justificar seu pedido de
recuperação judicial, a empresa cita a alta concentração de mercado característica no setor
aéreo.

No acumulado deste ano até outubro, a companhia, que é a quarta maior do mercado (atrás
de Latam, Gol e Azul), registrou 13,65% de participação no mercado de voos domésticos. No
mercado internacional, a participação da Avianca Brasil no período foi de 7,04%, segundo
dados da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).  

 

O ESTADO DE SÃO PAULO

Quarta maior companhia aérea do País, Avianca entra em
recuperação judicial

https://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,avianca-entra-com
-pedido-de-recuperacao-judicial,70002641959

Sob sigilo na vara de falências paulista, Avianca entra com pedido
de recuperação judicial

https://economia.estadao.com.br/blogs/coluna-do-broad/sob-sigilo-na-vara-de
-falencias-paulista-avianca-entra-com-pedido-de-rj/

Aeroporto de Guarulhos passa a fazer pouso e decolagens simultâneos

https://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,aeroporto-de-guarulhos-passa-a-fazer
-pouso-e-decolagens-simultaneos,70002641714

STJ condena aérea a indenizar cadeirante carregado no colo

https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/stj-condena-aerea-a

-indenizar-cadeirante-carregado-no-colo/

 

CORREIO BRAZILIENSE

Avianca entra com pedido de recuperação judicial

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/12/11/internas
_economia,724585/avianca-entra-com-pedido-de-recuperacao-judicial.shtml

 

O ESTADO DE MINAS

Avião sai da pista ao tentar aterrissar em aeroporto de Guaxupé

https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2018/12/11/interna_gerais,1012353/
aviao-sai-da-pista-ao-tentar-aterrissar-em-aeroporto-de-guaxupe.shtml

 

G1

ES vai à Justiça contra concessão de aeroportos de Vitória e Macaé

https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2018/12/11/es-vai-a-justica-contra
-concessao-de-aeroportos-de-vitoria-e-macae.ghtml

Aeroporto de Guarulhos passa a realizar pousos e decolagens simultâneas

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/12/11/aeroporto-de-guarulhos-passa-a-realizar
-pousos-e-decolagens-simultaneas.ghtml

Turistas que iriam de Palmas para SP voltam para casa após
voo ser cancelado

https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2018/11/24/turistas-que-iriam-de
-palmas-para-sp-voltam-para-casa-apos-voo-ser-cancelado.ghtml

Empresas entram na justiça contra Avianca pelo não pagamento do
arrendamento de aeronaves

https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/12/06/empresas-entram-na-justica-contra
-avianca-pelo-nao-pagamento-do-arrendamento-de-aeronaves.ghtml

 

SP2

Operação de voos no Aeroporto de Guarulhos tem mudança

https://globoplay.globo.com/v/7226237/

 

ÉPOCA NEGÓCIOS

Com dívidas de R$ 100 milhões só com aeroportos, Avianca pode
perder aviões

https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2018/12/epoca-negocios-com
-dividas-de-r-100-milhoes-so-com-aeroportos-avianca-pode-perder-avioes.html

 

JORNAL GLOBONEWS

Empresa aérea Avianca entra com pedido de recuperação judicial

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/empresa-aerea-avianca
-entra-com-pedido-de-recuperacao-judicial/7225970/

 

JORNAL NACIONAL

Avianca entra com pedido de recuperação judicial

https://globoplay.globo.com/v/7226693/

 

DCI

Quarta maior companhia aérea do país, Avianca entra em
recuperação judicial

https://www.dci.com.br/servicos/quarta-maior-companhia-aerea-do-pais
-avianca-entra-em-recuperac-o-judicial-1.765472

Recuperação judicial da Avianca Brasil pode ser sinal de consolidação,
diz Iata

https://www.dci.com.br/servicos/recuperac-o-judicial-da-avianca-brasil-pode-ser-sinal-de
-consolidac-o-diz-iata-1.765467

Avianca Brasil pede recuperação judicial, cita ameaça de retomada de aviões

https://www.dci.com.br/servicos/avianca-brasil-pede-recuperac-o-judicial-cita-ameaca-de
-retomada-de-avi-es-1.765337

Ameaça de retomada de aviões pode fazer Avianca Brasil cancelar voos

https://www.dci.com.br/servicos/ameaca-de-retomada-de-avi-es-pode-fazer-avianca-brasil
-cancelar-voos-1.765304

 

PANROTAS

Veja fotos do lançamento do voo da Latam para Tel Aviv

https://www.panrotas.com.br/aviacao/eventos/2018/12/veja-fotos-do
-lancamento-do-voo-para-tel-aviv-da-latam_160955.html

Operação para Tel Aviv marca ano promissor para a Latam

https://www.panrotas.com.br/aviacao/eventos/2018/12/operacao-para-tel

-aviv-marca-ano-promissor-para-a-latam_160957.html

GRU terá 100% de voos com QSuite da Qatar Airways este mês

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/gru-tera-100-de-voos
-com-qsuite-da-qatar-airways-este-mes_160954.html

Colômbia diz nada ter a ver com crise da Avianca Brasil

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/colombia-diz
-nada-ter-a-ver-com-crise-da-avianca-brasil_160953.html

Recuperação judicial da Avianca Brasil poupará 77 mil paxs

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/avianca-brasil
-recuperacao-judicial-poupara-77-mil-paxs_160952.html

Embarque da Delta acontecerá por categoria tarifária em 2019

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/embarque-da-delta
-acontecera-por-categoria-tarifaria-em-2019_160950.html

Royal Air Maroc recebe seu primeiro B787-9 Dreamliner

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/boeing-787
-9-dreamliner-e-inaugurado-pela-royal-air-maroc_160946.html

Avianca Brasil estuda recuperação judicial e aguarda aporte

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/avianca-brasil-estuda
-recuperacao-judicial-e-aguarda-aporte_160941.html

Segmento Mice precisa criar comunicação direta com aéreas

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/segmento-mice-precisa
-criar-comunicacao-direta-com-aereas_160931.html
 

Delta libera upgrade de assento com milhas após a reserva

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/delta-libera-upgrade
-de-assento-com-milhas-apos-a-reserva_160927.html

Gol anuncia 186 voos extras e duas novas rotas na Argentina

https://www.panrotas.com.br/aviacao/novas-rotas/2018/12/gol-anuncia-186
-voos-extras-e-duas-novas-rotas-na-argentina_160928.html

Latam registra aumento de 5,1% no tráfego de passageiros

https://www.panrotas.com.br/aviacao/pesquisas-e-estatisticas/2018/12/latam
-registra-aumento-de-51-no-trafego-de-passageiros_160924.html

Boeing lança versão executiva do 777X com autonomia recorde

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/boeing-lanca-versao
-executiva-do-777x-com-autonomia-recorde_160920.html

 

MERCADO E EVENTOS

Latam inicia voo para Israel com 90% de ocupação; veja fotos do lançamento

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/latam-inicia-voo-para-israel-com-90-de
-ocupacao-veja-fotos-do-lancamento/

Recuperação Judicial da Avianca Brasil impede que aeronaves sejam
devolvidas; veja o documento completo

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/recuperacao-judicial-da-avianca
-brasil-impede-que-aeronaves-sejam-devolvidas-veja-o-documento-completo/

Avianca Internacional: Ocean Air (Avianca Brasil) tem
operação independente

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/avianca
-internacional-ocean-air-avianca-brasil-tem-operacao-independente/

Avianca Brasil confirma pedido de recuperação judicial

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/avianca-brasil

-confirma-pedido-de-recuperacao-judicial/

Avianca Holdings negociará com Airbus corte na entrega de até
50 aeronaves

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/avianca-holdings-negociara
-com-airbus-corte-na-entrega-de-ate-50-aeronaves/

Azul confirma redução de voos de Porto Alegre para Córdoba e Rosário

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/azul-confirma-reducao-de-voos
-de-porto-alegre-para-cordoba-e-rosario/

Avianca Brasil se posiciona sobre arrendamento de aeronaves

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/avianca-brasil-se
-posiciona-sobre-arrendamento-de-aeronaves/

Lufthansa contará com sete novos destinos a partir do verão europeu

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/lufthansa-contara-com-sete
-novos-destinos-a-partir-do-verao-europeu/

Gol anuncia novas rotas e 186 voos extras para Argentina

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-anuncia-186
-voos-extras-em-argentina/

Latam ultrapassa 62 milhões de passageiros transportados até novembro

https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/latam-oferta-e-demanda-de-passageiros
-aumentam-em-novembro/

 

VALOR

Empresas aéreas devem ter lucro de US$ 35,5 bilhões em 2019, vê Iata

Por Assis Moreira | Valor

GENEBRA  -  As companhias aéreas globalmente poderão ter lucro líquido de
US$ 35,5 bilhões em 2019, um pouco acima dos US$ 32,3 bilhões esperados para este ano,
segundo projeções da Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata).

O retorno sobre o capital investido é previsto para 8,6%, semelhante ao de 2018. O
faturamento total das aéreas, globalmente, pode atingir US$ 885 bilhões, numa alta de 7,7%
em relação a US$ 821 bilhões esperados para 2018.

A Iata menciona um otimismo cauteloso também em 2019, após uma década difícil para as
companhias aéreas.

Em todo caso, o crescimento da demanda vai desacelerar ligeiramente: o tráfego de
passageiros aumenta 6% em 2019 contra 6,5% este ano. Para cargas, a expectativa é de alta
da demanda de 3,7%, comparado a 4,1% em 2018.

América Latina

No caso da América Latina, a Iata estima que as companhias aéreas na região terão lucro
líquido de US$ 700 milhões no próximo ano, ou 75% a mais que os US$ 400 milhões
projetados para 2018.  

A expectativa é de lucro líquido por passageiro de US$ 2,14 (1,6% de margem líquida). A
entidade considera que as condições econômicas nos mercados latino-americanos estão se
recuperando lentamente, com o Brasil saindo da recessão, mas a Argentina enfrentando
novas dificuldades.

A valorização do dólar americano aumentou os desafios para as aéreas da região, elevando
o custo local de compras denominadas em dólar, como aviões e o petróleo. Segundo a Iata,
reestruturações importantes e joint ventures estão melhorando o desempenho do setor na
região. A Iata afirma que as pessoas na América Latina estão viajando de avião como nunca
antes. O número de passageiros pode dobrar até 2034. Mas há um desafio: os aeroportos
estão saturados, os gargalos estão em todo lugar.

A entidade calcula que a América Latina perderá US$ 42 bilhões de benefícios econômicos
não realizados até 2034 se a situação da infraestrutura continuar como hoje.

 

Em recuperação judicial Avianca luta por aviões

Por Cibelle Bouças, Flávia Furlan e Cynthia Malta | De São Paulo

A Avianca Brasil protocolou ontem pedido de recuperação judicial na 1ª Vara de Falências
São Paulo para renegociar dívida de R$ 493,8 milhões. Os maiores credores da companhia
aérea são Petrobras, com R$ 60,7 milhões, Departamento de Controle do Espaço Aéreo
(Decea), com R$ 49,9 milhões, GE Celma, Pratt & Whitney, Aeroporto de Guarulhos,
Goodrich, Infraero, Air BP e Suissport.

A companhia obteve tutela antecipada (uma espécie de liminar) para impedir que
arrendadores retomem aeronaves e motores (turbinas). Pela legislação vigente, porém, as
dívidas com empresas de leasing não entram na recuperação judicial. Fonte ligada à
companhia informou que existem atualmente pedidos para reintegração de 26 aeronaves e
52 motores em uso pela companhia aérea. A Avianca opera no Brasil com 48 aeronaves.

Ontem, a Aircastle, empresa de leasing operacional de aeronaves com sede em Connecticut
(EUA), informou que vai pedir a reintegração de 11 aviões. Na semana passada, a BOC
Aviation, de Cingapura, e a Constitution Aircraft, da Irlanda, obtiveram liminares determinando
a devolução de outras 12 aeronaves arrendadas pela companhia.

No primeiro semestre, a Avianca Brasil teve prejuízo líquido de R$ 175,6 milhões, perda
24,4% superior à do mesmo período de 2017. A receita operacional bruta cresceu 116%, para
R$ 2,1 bilhões, mas o resultado final foi prejudicado pelo aumento de custos operacionais e
despesas financeiras.

 

Avianca pede recuperação judicial e não perde aviões }

Por Cibelle Bouças, Flávia Furlan e Cynthia Malta | De São Paulo

A Avianca, companhia aérea controlada pelos irmãos Gérman Efromovich e José Efromovich,
protocolou na noite de segunda-feira o pedido de recuperação judicial na 1ª Vara de Falências
e Recuperações Judiciais de São Paulo. O valor da dívida, segundo a lista de credores
anexada ao processo, é de R$ 493,9 milhões.

O pedido foi protocolado pela Avianca Brasil e pela holding operacional AVB. Na petição, a
companhia informou que também vai pedir recuperação judicial nos Estados Unidos. O
objetivo é evitar que os bens de capital essenciais ao exercício da atividade econômica da
empresa não sejam retirados de sua posse direta.

Os maiores credores da Avianca Brasil são Petrobras, com dívida de R$ 60,7 milhões,
Departamento de Controle do Espaço Aéreo (R$ 49,9 milhões), GE Celma (R$ 48,5 milhões),
Pratt & Whitney (28,9 milhões), Aeroporto de Guarulhos (R$ 26,7 milhões), Goodrich 

(R$ 12,4 milhões), Infraero (R$ 17,7 milhões), Air BP (R$ 17,6 milhões) e Swissport
(R$ 17,0 milhões).

A Avianca solicitou que o pedido seja avaliado com urgência pela Justiça. A empresa também
pediu, e ganhou, a tutela antecipada de aviões que são alvo de disputas judiciais. Na noite de
ontem, o juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações
Judiciais de São Paulo, concedeu a tutela provisória de urgência de 14 aeronaves.

São aviões arrendados à Avianca pelas empresas BOC Aviation e Infinity Transportation. As
duas empresas conseguiram na Justiça a reintegração de posse das aeronaves, por falta de
pagamentos.

Na decisão, o juiz também determinou a suspensão das ações de reintegração de posse de
aeronaves, que tramitam nas 5ª, 12ª e 31ª Varas Cíveis do Foro Central da Comarca da
Capital, bem como de futuras ações buscando apreender aeronaves ou motores.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), segundo o despacho do juiz, deve manter
"provisória e cautelarmente" todas as concessões e autorizações concedidas à Avianca. A
Anac não foi notificada sobre a recuperação judicial da Avianca e solicitou esclarecimentos
à empresa sobre a prestação de assistência aos passageiros que poderão ser impactados
com um eventual reajuste de malha.

O juiz determinou ainda que os aeroportos usados pela Avianca devem permitir o acesso a
toda a infraestrutura e aos serviços aeroportuários. Dessa forma, a companhia poderá operar
normalmente, enquanto o pedido de recuperação judicial é analisado.

A Avianca vem negociando com diversas companhias de leasing há mais de um mês. O
plano da empresa era, segundo informou, devolver oito aviões às empresas de
arrendamento. Na petição, a Avianca relatou que as empresas de leasing BOC, Infinity e
Constitution estavam pedindo de volta 14 aeronaves. Esta devolução, se fosse feita,
representaria corte de 30% da frota, composta de 48 aviões.

Fonte familiarizada com a situação da empresa disse que o número de pedidos de devolução
é ainda maior: existem pedidos para reintegração de 26 aeronaves e 52 motores. Ontem, a
Aircastle, empresa de leasing operacional de aeronaves, com base em Connecticut, pediu a
devolução de 11 aeronaves em uso pela Avianca. A Aircastle seria a última empresa de
leasing com a qual a Avianca tentava chegar a um acordo.

Pela legislação vigente, as dívidas com as empresas de leasing não entram na recuperação
 judicial. Isso significa que as empresas que arrendaram aeronaves podem obter os aviões
de volta. Para fonte do setor, a empresa busca apenas ganhar tempo com o pedido de tutela
antecipada.

Também há suspeita de que a dívida seja maior do que o relatado no pedido de recuperação
judicial. Uma fonte próxima da companhia disse que somente as dívidas com as empresas
de leasing de aeronaves somam R$ 430 milhões. As dívidas com aeroportos brasileiros
somam aproximadamente R$ 100 milhões. Somando outros credores, a dívida da Avianca
superaria R$ 600 milhões.

Em outro processo, também aberto na Justiça de São Paulo, desta vez contra os irmãos
José e Germán Efromovich, donos da companhia aérea, as seguradoras Fator e Chubb
ganharam o direito de reaver R$ 200 milhões. O dinheiro faz parte de contrato fechado
com o estaleiro Ilha S.A., de propriedade dos irmãos. Como os dois não tinham bens em
seus nomes, o Tribunal de Justiça acatou pedido da defesa para arrestar ações da Avianca.
Cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça.

Após a notícia de que a Avianca havia pedido recuperação judicial, as seguradoras Fator e
Chubb informaram que vão entrar com uma petição, requerendo a exclusão da holding do
processo de recuperação judicial. Com isso, as seguradoras poderão continuar a execução
das ações da Avianca, vendendo-as para pagar os créditos das seguradoras. Se o pedido
for aceito, ficaria na recuperação judicial da Avianca outros ativos, como aviões e slots.

No primeiro semestre, a Avianca Brasil teve prejuízo líquido de R$ 175,6 milhões, perda
24,4% superior ao mesmo período de 2017. Já a receita operacional bruta avançou 116%
para R$ 2,1 bilhões. A última linha do balanço foi afetada por aumento de custos
operacionais e despesas financeiras.

No segundo trimestre, a companhia já havia feito uma captação com bancos para dar
seguimento às suas operações. A Avianca captou R$ 130,7 milhões com Banco ABC,
Banco Daycoval, Banco Safra e Banco Fibra, com vencimentos entre 2018 e 2021. Os
recursos foram usados para "aumento e modernização da frota, abertura de sucursais no
exterior e ampliação de frequências e expansão da malha aérea."

 

Justiça concede tutela antecipada de 14 aeronaves à Avianca

Por Cibelle Bouças | Valor

SÃO PAULO  -  O juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi, da 1ª Vara de Falências e
Recuperações Judiciais de São Paulo, decidiu na noite desta terça-feira (11) conceder à
Avianca a tutela provisória de urgência de 14 aeronaves. Tratam-se de aviões que foram
arrendados para a Avianca pelas empresas BOC Aviation e Infinity Transportation. As duas
empresas conseguiram na Justiça a reintegração de posse das aeronaves, por falta de
pagamentos.

Na decisão, o juiz também determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)
mantenha provisória e cautelarmente todas as concessões e autorizações concedidas para
a Avianca.

Além disso, o juiz determinou a suspensão das ações de reintegração de posse que
tramitam nas 5ª, 12ª e 31ª Varas Cíveis do Foro Central da Comarca da Capital, bem como
de futuras ações que visem à apreensão de aeronaves ou motores.

O juiz também permitiu que a empresa continue vendendo passagens aéreas. E determinou
que os aeroportos usados pela Avianca devem permitir o acesso a toda a infraestrutura e aos
serviços aeroportuários necessários para o transporte de passageiros da companhia aérea.  

Nesta terça, foi divulgado que a Avianca Brasil protocolou pedido de recuperação judicial na
1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo. O valor da dívida, segundo a
lista de credores anexada ao processo, é de R$ 493,8 milhões.

 

Anac pede esclarecimentos à Avianca sobre recuperação judicial

Por Cibelle Bouças | Valor

SÃO PAULO  -  A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que ainda não foi
notificada sobre o pedido de recuperação judicial da Avianca Brasil e que solicitou
esclarecimentos à empresa sobre a prestação de assistência aos passageiros que poderão
ser impactados com um eventual reajuste de malha.

Segundo a agência, se for identificado algum descumprimento das normas vigentes, a Anac
 poderá aplicar sanções à empresa.

A Avianca Brasil protocolou no fim da segunda-feira (10), o pedido de recuperação judicial
na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, para renegociar dívidas no
montante de R$ 493,9 milhões.

Na petição, a Avianca informou que vai pedir para a Anac para manter todas as concessões
e autorizações à empresa, enquanto corre o processo de recuperação judicial.

 

Governo promulga acordo no setor aéreo com Peru assinado 9 anos atrás

Por Juliano Basile | Valor

BRASÍLIA  -  O governo brasileiro promulgou, em edição do "Diário Oficial da União" desta
terça-feira, um acordo de cooperação em serviços aéreos entre Brasil e Peru assinado em
Lima, em 11 de dezembro de 2009. Pelo acordo, as empresas aéreas que atuam entre o
Brasil e o Peru terão o direito de estabelecer escritórios administrativos próprios no território
para onde encaminham vendas e enviam produtos.

“Cada parte garantirá às empresas aéreas designadas pela outra o direito de exercer a
venda de passagens e serviços acessórios no seu território diretamente ou à sua escolha
através de seus agentes”, afirma o texto. E segue: “Cada empresa aérea designada terá o
direito de vender tal serviço e qualquer pessoa terá liberdade para adquirir o serviço na
moeda do referido território ou em moeda estrangeira, ao câmbio vigente”.

O decreto também determinou que as empresas poderão realizar transportes terrestres, ou
contratar companhias para tanto, mediante a celebração de um contrato privado. Isso inclui
transporte terrestre realizado por outra empresa aérea ou provedores indiretos de carga
aérea, com a autorização da legislação vigente.

“As tarifas aeronáuticas que possam ser impostas pelas autoridades ou entidades credoras
arrecadadoras competentes de cada uma das partes sobre as empresas aéreas da outra
deverão ser justas, razoáveis, não discriminatórias e aplicadas igualmente entre semelhantes
categorias de usuários”, diz o texto.

A promulgação do acordo está no Decreto nº 9.605, assinado na segunda-feira pelo
presidente Michel Temer (MDB) e pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes.

Do lado do Brasil, o acordo foi originalmente assinado pelo então ministro da Defesa,
Nelson Jobim, no penúltimo ano do segundo mandato do governo de Luiz Inácio Lula da
Silva (PT).

Os acordos internaci


abear no facebook

abear no twitter

São Paulo

Av. Ibirapuera, 2332 - Conj. 22 - Torre Ibirapuera I
04028-002 | Moema | São Paulo/SP
+ 55 11 2369-6007

Rio de Janeiro

Av. Marechal Câmara, 160 - Edifício Orly, 8º andar, Sala 832
20020-080 | Centro | Rio de Janeiro/RJ
+ 55 21 2532-6126

Brasília

SAUS Quadra 1 - Bloco J , 10/20 - Edifício CNT - Sala 506
70070-944 | | Brasília/DF
+ 55 61 3225-5215